series protagonismo feminino 2017

2017 foi um ano e tanto para as pessoas que acompanham séries! Com estreias aclamadíssimas como The Handmaid’s Tale, pelo serviço de streaming Hulu, ou a minissérie Big Little Lies, da HBO, o ano mostrou que a representatividade feminina nas telinhas veio para ficar. Que bom!

Com o intuito de ter representatividades diferentes, escolhemos, na medida do possível, narrativas que contemplem as diversidades das mulheres, portanto, temos ricas, pobres, latinas, negras e brancas, em relação monogâmica ou poliamorosa, séries com foco em criança, em família, dos gêneros dramas, suspense, humor…

O resultado? Uma lista com 10 séries lançadas neste ano com protagonismo feminino. Na lista tem série de canais de streaming como Netflix e Hulu e canais de televisão como HBO e CW.

Confira:

Ela Quer Tudo

https://www.youtube.com/watch?v=whvPjWm7ZE0

Lançada aos 45 do segundo tempo pela Netflix, Ela Quer Tudo entra com louvor na nossa lista de séries com representatividade feminina lançadas em 2017. A série segue a vida de Nola Darling, que é uma jovem mulher negra que divide seu tempo entre seu trabalho, seus amigos e seus amores. A série é uma versão em 10 episódios do filme homônimo de Spike Lee lançado em 1986 e não deixa a desejar quando o assunto é empoderamento feminino, relacionamento poliamoroso e questões relacionadas à negritude. Vale demais a pena começar a maratona antes do ano acabar. Corre!

 

One Day at a time

https://www.youtube.com/watch?v=lThjce3buhQ

Em janeiro deste ano a Netflix lançou a primeira temporada de One Day at a Time. Uma sitcom que é uma versão moderna de uma série homônima dos anos 70. A série original já era conhecida por ser progressista e feminista para o seu tempo. À época, sua protagonista foi uma das primeiras mães solo da televisão americana. Para continuar os ideais da original e se manter com a evolução do que a “família tradicional” significa, a versão de 2017 é estrelada por uma mãe solo e sua família de origem cubana. Confira o nosso texto sobre a série!

 

Las Chicas Del Cable

https://www.youtube.com/watch?v=c-oj67yVhm4

Em abril a Netflix lançou Las Chicas Del Cable, um drama com oito episódios que, com certeza, valem uma maratona. A produção é uma parceria da Netflix com sua base na Espanha  e trabalhou em sua primeira temporada temas como a luta das mulheres por liberdade, sororidade e a força da comunhão feminina, tudo isso com fotografia, ambientação, roteiro, detalhes de diálogo e trilha sonora da melhor qualidade. Veja o que achamos da série neste texto!

 

Anne With an E

Baseada no romance Anne of Green Gables da escritora Lucy Maud Montgomery, a série acompanha Anne Shirley (Amybeth McNulty), uma jovem órfã do final do século XIX, que teve uma infância abusiva entre orfanatos e casas de estranhos. É quando a garota é enviada (por engano) para casa dos irmãos Marilla (Geraldine James) e Matthew Cuthbert (R.H. Thomson) – em pouco tempo, a menina conquista todos com seu carisma, inteligência e imaginação brilhante. A história é emocionante e já avisamos logo: é bom deixar uma caixa de lencinhos do lado quando for assistir, viu? Dá uma olhada no que falamos sobre a série neste link.

 

Cara Gente Branca

https://www.youtube.com/watch?v=ac6X4EYIH9Y&t=39s

Cara Gente Branca (Dear White People) é uma série original Netflix Inspirada em filme homônimo lançado em 2014, sobre um grupo de estudantes negros, principalmente sua protagonista, Samantha White, enfrentando o racismo estrutural de uma universidade americana elitista, ou seja: majoritariamente frequentada por pessoas brancas. Em seus dez episódios, o show retrata a conjuntura racista em que vivemos e evidencia esse fato mediante o uso da representação tanto de micro quanto de macroagressões. Confira 10 temas importantes abordados pela série aqui!

 

Big Little Lies

Big Little Lies é uma minissérie produzida pela HBO e estreada em fevereiro de 2017 que conta com um elenco de dar inveja a muita obra consagrada: Nicole Kidman, Reese Witherspoon, Laura Dern, Shailene Woodley e Zoë Kravitz. Baseada no livro escrito por Liane Moriarty, “Pequenas Grande Mentiras”, a narrativa gira em torno da investigação de uma morte. O que há de novo nisso? O fato de não sabermos nem quem matou, nem quem morreu. A história é primordialmente focada na vida de três mães que se aproximam quando seus filhos passam a estudar juntos no colégio. Até então, elas levam vidas aparentemente perfeitas, mas os acontecimentos que se desenrolam levam as três a extremos que conectam suas vidas de uma maneira inesperada. Veja o que achamos da série aqui.

 

Dinastia

Dinastia, uma produção da CW distribuída no Brasil pela Netflix que ganhou o título de ser uma mistura de Gossip Girl, The O.C. e Revenge. De acordo com análise feita pelo portal M de Mulher, a série trata-se de uma “trama cheia de ~problemas de gente rica~, intrigas sem fim, vingança, badalação e luxúria, com direito a um quê de mistério”. É verdade que a fórmula da série já foi usada à exaustão em outros shows, mas essa obra tem algo diferente: é uma narrativa sobre gente rica que não conta apenas com personagens brancos. A série vale a pena pela representatividade negra (que está longe de ser ideal, mas comparada às séries com as quais ela é comparada é um avanço) e conta com personagens femininas interessantes, ainda que, em alguns momentos, reforçe alguns padrões femininos que precisamos muito desconstruir. Falamos um pouco sobre a série neste texto.

 

Girlboss

https://www.youtube.com/watch?v=WOUAKDHZtZY

Girlboss, série original Netflix,  é sobre Sophia: é uma jovem de 23 anos que se nega a receber a ajuda financeira do pai. O ano é 2006, quando ainda engatinhávamos no conceito de redes sociais e vendas pela internet. Ela é demitida de todos os empregos pelos quais passa, seja por insubordinação, desobediência ou deboche, e, então começa seu projeto de vida, a loja de vendas online no eBay. A série gerou polêmica por ser apontadas por algumas críticas como empoderadora e por outros como a demonstração de uma a personagem que não sabe ouvir ‘não’ e explode com cada um que tenta dizê-lo. Vale a pena assistir para que você tire as suas próprias conclusões! Falamos um pouco sobre essa polêmica neste texto.

 

The Handmaid’s Tale

https://youtu.be/PJTonrzXTJs

Baseado no romance escrito por Margaret Atwood, The Handmaid’s Tale é, sem dúvida, a grande série de 2017. A prova disso é que a série venceu em cinco categorias do Emmy 2017, incluindo de melhor série dramática e foi aclamadíssima pela crítica mundial. O show se situa em um futuro próximo em que os Estados Unidos foi tomado por um regime totalitário teocrático, no processo retirando o direito das mulheres de trabalhar, possuir propriedades e até mesmo de ler. Nessa distopia acompanhamos Offred, uma mulher do pequeno grupo de mulheres nessa sociedade que ainda são férteis. Por conta da sua fertilidade, ela é obrigada a viver como uma “handmaid“, cujo único propósito é gerar filhos para o casal a quem ela foi designada. Confira a nossa análise sobre a série.

 

Glow

https://www.youtube.com/watch?v=-LKFqyeFpoE

Já pensou que louco uma série dos anos 1980 sobre luta livre feminina? Pois é, esta é a temática de GLOW, série original Netflix. A série conta a história de uma atriz fora do mercado que decide voltar à ativa participando de um programa de televisão sobre luta livre feminina em Los Angeles. Criada por Liz Flahive, a trama se baseia em um programa de TV que realmente existiu e até foi exibido no Brasil.