Não faz nem uma semana que a Rede Globo divulgou nacionalmente uma nota pública contestando o assédio denunciado pela figurinista Susllem Tonani contra José Mayer. Depois de muita pressão, a emissora optou por se posicionar quanto ao assunto no Jornal Nacional da última terça-feira (4), informando que o ator seria afastado de outras novelas, por tempo indeterminado.

A campanha “Mexeu com uma, mexeu com todas”, iniciada por funcionárias da empresa, ganhou força e adesão de atrizes e até de atores. Muitos que contracenaram, direta ou indiretamente, com Mayer. Diante de tal feito, houve até quem aplaudisse no Facebook a atitude da Globo em resolver abordar o assunto e transmitir uma mensagem clara: não vamos tolerar violência contra a mulher. Será mesmo?

Nem bem acabamos de falar sobre José Mayer e surge Marcos Harter, do Big Brother Brasil 17. O cirurgião plástico, de 37 anos, demonstrou logo nas primeiras semanas do programa claro interesse por Emilly Araújo, 17 anos mais nova que ele. Parecia que não passava mais do que joguinhos, brincadeiras e cenas claras de um cavalheiro (aquela figura do gentleman) bem comportado. Marcos era, até então, um “príncipe encantado”. Mas, por algum motivo, as investidas não davam lá tão certo. Até que a gêmea resolveu ceder e ambos iniciaram um relacionamento que descambou para se tornar para lá de abusivo.

marcosbb17

As brigas se tornaram diárias. Falta de respeito. Gritos. Dedos enfiados na cara. Mãos e pulsos sendo apertados. Beliscões. Choros. Arrependimentos. Demonstrações claras de um manipulador incrivelmente hábil que Marcos é ou passou a ser a medida do decorrer do programa. Tudo aquilo que vinha se arrastando desde aquela conversa em que o médico citou que as melhores qualidades da namorada eram “beijar bem transar legal” caiu por terra essa semana.

Totalmente descontrolado, o participante agrediu verbalmente não só Emilly, mas Ieda, Vivian e Marinalva. Como se os gritos não bastassem, deixou o braço da jovem roxo por beliscões durante uma discussão, agarrou-lhe o pulso e a encostou contra a parede, quando gritou enfiando o dedo na sua cara.

Os fãs (e os não fãs, até quem declara asco ao programa) começaram a exigir a expulsão do rapaz na madrugada deste domingo (9), quando ele extrapolou de vez os limites e a própria Emilly chegou a gritar, inúmeras vezes, para que ele lhe soltasse o braço. Os berros diziam claramente “Chega de apertar meu braço, chega de apertar meu pulso. Você está me machucando. Chega”.

Esperamos para ver qual seria o posicionamento da direção, transmitida ao vivo pelo apresentador Tiago Leifert. Muitos, e eu também, queriam a expulsão imediata de Marcos. Esperávamos que, só por hoje, a Rede Globo honrasse com sua palavra, com seu posicionamento feito somente cinco dias antes no Jornal Nacional. Queríamos coerência. Respeito à mulher que Emilly é, independente de gostarmos dela ou não, apoiarmos  suas atitudes ou abominá-las.

O que vimos, foi claramente o contrário. Foi uma emissora desonrada, descompromissada e que liga mais para a audiência que tem do que para os danos psicológicos permanentes que certamente deixará para sempre encravados na alma de uma jovem de 20 anos. Que nada sabe sobre a vida e que, por si só, declarou que fecha os olhos para muitas das atitudes do namorado. Coagiram uma participante que foi agredida física e verbalmente ao confessionário, esperando que ela fosse ali, diante do agressor, denunciar que está num relacionamento abusivo?

emilly-marcos-bbb17-1

É triste. É forte e dói. Dói em mim como mulher e em muitas outras pessoas saber que a Globo deixou tudo isso ali, bem na nossa cara e não se posicionou contra Marcos. Que o manteve na casa, quando a atitude correta era expulsá-lo imediatamente. A atitude da emissora é a mesma de alguém que vê uma mulher ser espancada e não age para defendê-la.

Não existem palavras que possam mensurar as atitudes de Marcos Harter e da da própria Rede Globo. Nas palavras de @ebaviuma: “A emissora que faz um Amor e Sexo sobre violência contra a mulher, leva Elza Soares para dar depoimento, e fica omissa em relação ao Marcos. Não dá, nunca deu, para defender.”