Uma mulher apaixonada por outra mulher. A trama de Her Story poderia ser mais uma importante narrativa com a temática lésbica, mas ela ela vai além, muito além! Delicada e necessária, a websérie narra a jornada de uma mulher trans que se apaixona por uma mulher cisgênero lésbica. Muito bem produzida, a série é um presente quando o assunto é representatividade.

Seu enredo principal gira em torno de duas mulheres trans moradoras de Los Angeles que desistiram do amor, quando de repente, após alguns encontros casuais, suas esperanças são renovadas. Violet e Paige mostram uma realidade ainda muito pouco retratada, uma vez que as mulheres trans na mídia são comumente expostas como perigosas, violentas, assassinas ou, indo por outro caminho, cômicas.

Raramente encontramos personagens complexos que riem, lutam e crescem, que compartilham força na irmandade, que procuram e encontram amor. Her Story retrata mulheres únicas, complicadas e muito humanas e explora como essas mulheres navegam nas interseções de identidade de rótulo e amor. 

Confira o trailer:

Em seus seis episódios, a primeira temporada tem um arco muito bem construído e aborda temas como preconceito, relacionamento abusivo, empoderamento e questão de invisibilidade trans. É comum, como discutimos neste texto aqui, que os personagens trans retratados no audiovisual não sejam interpretados por atrizes e atores transsexuais. É igualmente comum que estes personagens não sejam dirigidos ou criados por pessoas da comunidade LGBT e isso apenas evidencia a falta de oportunidade latente a qual a comunidade como um todo, mas principalmente @s transsexuais, é submetida.

Cinderela do Emmy 

Em 2016 a série foi indicada ao Emmy na categoria “Programa de Entretenimento Ao Vivo de Ação Curta”. Jen Richards, a cineasta e escritora transgênero, que, inclusive, é uma das a protagonista do show, disse em entrevista ao The Guardian que nunca imaginou que ele seria tão bem sucedida como tem sido – e muito menos tornar-se a primeira série web indie a ser nomeado para um Emmy.

Ficamos chocados mais do que tudo“, disse Richards, referindo-se à reação de toda a equipe depois de saber sobre a nomeação. “Obviamente nós submetemos nós mesmos para a premiação, mas era algo tão surreal. E depois que vimos quem mais foi indicado na categoria tornou ainda mais inacreditável porque somos o único show que não tem por trás uma grande rede de televisão “.

Produzido em um orçamento pequeno, Her Story foi nomeado ao lado de Adult Swim’s Childrens Hospital, AMC’s Fear the Walking Dead: Flight 462, Comedy Central’s Hack Into Broad City and Lifetime’s UnREAL: The Auditions.Não é à toa que o show foi chamado de Cinderela do Emmy, já que o seu orçamento é o mais baixo de todos os indicados na categoria. Co-escrito por Jen Richards e Laura Zak, dirigido por Sydney Freeland (Drunktown’s Finest), com fotografia de Bérénice Eveno, e produzido por Katherine Fisher, a websérie apresenta predominantemente mulheres LGBTQ, dentro e fora da tela.

Com a pretensão de somar esforços para a mudança positiva em relação as percepções culturais sobre as mulheres trans e queer, Her Story realiza um trabalho impecável. Quer dizer, encontramos um problema: seis episódios é muito pouco. Queremos mais!

Assista a primeira temporada aqui.

(*Os vídeos são legendados para mais de dez idiomas diferentes, incluindo o Português. Basta clicar em suas configurações e alterá-las no próprio Youtube).